sábado, dezembro 17, 2011

Canonizando a Divindade de Tezuka [#TezukaDay]


Osamu Tezuka. Ele foi um véio foda pra caralho. Isso é fato e não há discussão a respeito. Mas já pararam pra refletir por quê picas ele é chamado de “Deus do Mangá”?

Eu não estou falando da definição da Wikipédia e do que o resto do pessoal participando do Tezuka Day fala, como a inspiração vinda do Disney, Max Fleischer e da Terry Toons, ele ser amigo do Maurício de Souza, ou o soco que ele tomou de um militar dos aliados que o inspirou a criar o Astro Boy. Não. Eu me refiro o que pode fazer com que chamemos esse tiozinho simpático de “Deus do Mangá”.

A Reverse Trap primordial!

Quando dizemos que Tezuka “criou” o que chamamos de atualmente de mangá, é por que ele definiu os rumos que as coisas tomariam a partir daquele momento. Já existiam quadrinhos lá, claro. Mas o tio Tezuka deu aquele “plus” que faltava pra dar a identidade própria que conhecemos hoje do mangá, em que botamos o olho e já identificamos. Mas o ponto de interesse aqui é que, ao contrário do que muitos pensam, ele praticamente trabalhou com todos os gêneros de mangá.

Vou escrever de novo: Tezuka trabalhou com QUASE TODOS OS GÊNEROS DE MANGÁ. Ele fez de TUDO UM POUCO!

Praticamente todas as ambientações e temas que ele pode tratar ele tratou, e de várias formas. Ficção científica (Astro Boy), ação sobrenatural (Dororo), fantasia (Ribon no Kishi), drama (Black Jack), histórico (Adolf), biografias (Buda) e mesmo erótico (Cleopatra), sem falar de outros... bem, é complicado falar de um muitos deles, ainda mais que a obra completa dele conta com 700 mangás.

Sim, SETECENTOS mangás diferentes, com mais de 150 mil páginas desenhadas durante a vida dele. E a maioria ainda é desconhecida fora do Japão.  

Isso seria legal...


Sempre me dá um aperto no coração de lembrar que suas últimas palavras foram “Eu te imploro, me deixe trabalhar”, ditas quando uma enfermeira tirou dele seus materiais de desenho para que ele pudesse descansar um pouco, quando estava no hospital (inicialmente eu não iria participar do Tezuka Day, mas quando eu me lembrei dessas palavras mudei de ideia na última hora...). Pois bem, ele fez tudo que é tipo de história e não parava de trabalhar nem na hora da morte. Se isso não é ser foda pra mim então o mundo está MUITO errado atualmente...

Mas tem uma lição dessa versatilidade de trabalhar com tudo que é tipo de gênero que eu aprendi cedo e que é uma boa chance pra que outros tomem vergonha na cara pra aprender também. Bem, Tezuka literalmente atirou pra todo lado, fazendo histórias de vários tipos, e certamente sabia que elas não seriam todas digeridas pelos fãs igualmente. Ele não se focou apenas para um só público. Mas ele escreveu e desenhou cada uma com o mesmo empenho.

O ponto aonde quero chegar é: pra que tem tanta pegação no pé de obras que não tem nada a ver uma com a outra? Há certos indivíduos que implicam com obras que são para um público-alvo diferente do deles. Pra quê essa frescura? Não há necessidade de se crucificar um anime ou mangá se ele não está no seu gosto. Nem todo mundo quer saber de uma história profunda ou só ver isso. Olhem pro remake de Astro Boy como um exemplo: há uma boa história envolvendo todo o “complexo de Frankenstein” entre humanos e robôs, mas ele funciona também apenas como um desenho de ação e mais nada.

Muita gente devia parar de encher o saco de alguém se ele resolver assistir algo com um enredo profundo como Legend of Galactic Heroes ou sem história e lotado de moe como Boku wa Tomodachi ga Sukunai (curiosidade, andei assistinndo os dois nesta semana)e. Sabem por quê? Tezuka mostrou que tem espaço pra tudo, simplesmente fazendo de tudo um pouco. Mesmo que você não goste, deixe quem gosta em paz. há momentos pra se enterter, pra refletir e pra fazer ambos. Tezuka sabia disso e criou obras pra todos esses tipos de situação. Ele mostra que dá pra ter diversidade na boa. 

E esse seria um DLC de respeito! Desembolsa, Capcom!

Um deus deve ser justo para com todos. Eis a razão de Tezuka ser respeitado por todos, pois ele botou o rumo para todo o tipo de mangá e anime que veio depois dele, sem distinções. Esse sim me parece um Deus que vale a pena ser citado com letra maiúscula. Acchonburike!

(sim, Black Jack é meu mangá preferido dele^^)





Entrei nessa do Tezuka Day meio a la "Eleventh Hour Ranger", mas deu vontade, fazer o quê? Nem quis esccrever muito, pois uma porrada de gente também preparou coisas legais pra esse cara que merece. Acessem a página do Tezuka Day no Facebook pra saber mais, e não se esqueçam de divulgar (ou melhor, spammar) #TezukaDay no Twitter, certo?  Acchonburike!



4 comentários:

jonhmaster disse...

Muito boa a postagem, nem muito grande e nem muito pequena. Gostei não é a toa que citei no twitter.

Carlírio Neto disse...

Saudações


Dá para pensar em muitas coisas ao redor da temática aqui estabelecida, não é mesmo?

Por exemplo: a criação de um doujin fighting game, como sugere uma das imagens, seria excitante.

Mas este é um post bem centrado. Gostei dele. Posso dizer, seguramente, que ele é a cara do seu blog, rapaz (e isso é muito positivo)!


Até mais!

Julio_The_Accelerator disse...

"Mesmo que você não goste, deixe quem gosta em paz"

Como eu gostei de ler isso ^^ muito bom o texto.

Não sabia que Tezuka gostava tanto do seu trabalho, isso que é uma pessoa pra se respeitar, será que ele foi vítima do karoshi??

Sobre Haganai não ter história,não é que eu fiquei bravo por que falou isso de Haganai, mas acho muito ruim falar que algo é "sem história"
Como você pode achar em uma definição geral história é a narração de acontecimentos não é??Se tem pelo menos isso não acho legal falar que não tem história.Me falaram que RE 4 não tem história e que são só fatores que o levam a matar "zumbis",existem fatores que levam a isso??Com certeza, existe uma narração de acontecimentos??Também né.A história pode ser ruim,vazia ou o que for mas se ela existe eu não acho apropriado falar isso.

JulioAxcel disse...

Eu gostaria de retirar quase tudo o que eu falei ali sobre história, hoje em dia eu entendo melhor esse conceito >_> mesmo eu não simpatizando com a ideia.

Mas os elogios ficam, esse post merece, o que você escreveu faz uma pessoa perceber como Tezuka foi um grande homem, não faço a minima ideia de como alguém poderia sequer tentar argumentar contra a ideia proposta pelo texto.Ele foi um véio foda pra caralho, né.