sábado, agosto 28, 2010

Ken Akamatsu Afirma: "O Moe Boom já Passou!"




Em um post no seu  site oficial, Ken Akamatsu (o autor de Love Hina e Mahou Sensei Negima, mas você já sabe disso, certo?) comentou a respeito do declínio do domínio do moe e dos animes na madrugada (que passam nesse horário justamente pra ter fanservice a vontade), e afirmou que o "moe boom" acabou, mencionando certos fatos que ele notou desde o ano passado.

1 - Ausência de protagonistas masculinos. Muitos animes só tem meninas como personagens, e por isso não há mais a base de um harém "clássico" (um rapaz cercado de um monte de meninas), e por isso o público-alvo tradicional não tem mais um personagem pra se identificar.

2 - Poder de compra do público masculino decaiu. Não só isso, mas o público feminino (leia-se: fujoshi) também passou a frente, tanto que muitos dos títulos mais vendidos são para as meninas.

3 - Audiência masculina agora tem mais empatia por personagens femininas. Vem aumentando direto o número de leitores homens que não vê personagens femininas como objetos sexuais (leia-se fanservice), e que se identificam mais facilmente com elas (sem medo de virar gay ou bicha, que nem muitos fãs masculinos de S**l*r M**n o são :P). O melhor exemplo citado por ele é justamente K-ON!, que justamente cumpre esses requisitos facilmente.

Ele também menciona que, devido a terceira afirmação, este seria o ano do gênero Yuri, mas ele diz que não vem sentindo que a popularidade desse estilo não é assim tão forte ainda...

É aí que acho que está o ponto que o Akamatsu citou; o mercado saturou tanto com o jeito atual de moe e harém que do jeito que tá não vai dar. Basta lembrar como era a Jump nos anos 90 e atualmente: há duas décadas atrás, sucesso era mangá de porrada pura, alinhando um quebra-pau atrás de outro. Em seguida, com o declínio desse modo de ser dos mangás shounen, os autores se reinventaram e começaram a fazer histórias com o mesmo nível de ação e pancadaria dos antigos clássicos, só que desta vez sem esquecer de dosar muito bem aventura e (um pouco de) enredo. Pode-se dizer que o mangá da Jump que mais simboliza essa transição é One Piece, não por coincidência, o mais popular da Jump atualmente.



É uma constatação até certo ponto surpreendente, ainda mais vindo de um mangaká que é expert no gênero. Talvez ele viesse percebendo isso faz tempo. Claro que, pra conseguir chegar no ponto que está agora, ele precisou armar um plano digno de Lelouch Lamperouge pra dobrar os editores da Kodansha pra poder publicar o que seria simplesmente um Love Hina requentado com tempero de Harry Potter. Então, lá pelo terceiro ou quarto volume, ele começou a modificar as coisas até chegar em um dos melhores títulos shounen que temos atualmente. Creio que ele tomou uma ótima decisão, já que vendo como as coisas estão agora, ele já está adaptado pra uma mudança no gênero.

Talvez seja a hora de uma transição para o gênero moe, e pro gênero harém também (os dois andam de mãos dadas, mas prefiro separar as coisas); se parar pra comparar, Negima tem tido muito a ver com One Piece no modo que dosam as coisas; quem acompanha os dois talvez já tenha notado que a mistura de elementos é bem equilibrada, e por isso esses mangás funcionam tão bem. O efeito principal do final de um "boom" na indústria de mangás e animes geralmente é acompanhada de uma reinvenção do modo de se fazer as coisas. Se as coisas andam paradas e enjoadas agora, é certo que alguém vai parar de coçar o saco e fazer alguma coisa que mude a situação. Já vi isso acontecer antes mais de uma vez, e é algo bem natural nesse meio.

Seja como for, se estiverem ruins, as coisas vão melhorar. Não tenham dúvida^^

Um comentário:

Andre disse...

concordei com ele em tudo praticamente