sábado, agosto 07, 2010

Doujinshi Review: Negimaru! 1-5 – Um Tema Sério, Contado da Forma Certa...



Faz realmente MUITO tempo que não faço review de alguma coisa. E acho que agora é um bom momento pra retomar esse hábito. Mas em vez de perder tempo com reviews da temporada de animes (o que qualquer outro pode fazer com mais tempo livre do que eu), vou seguir a intenção original do nbm²: fazer vocês conhecerem coisas legais que às vezes são underground demais pra se achar facilmente (coisa que, até onde sei, sou um dos poucos que faz; verdade seja dita, certo?). 



Desta vez, vou falar de um dos melhores doujinshi que li nos últimos meses, e que pra minha surpresa é bem melhor do que pensei num primeiro momento. Negimaru é uma série de cinco volumes baseado em Mahou Sensei Negima (jura, Capitão Óbvio?), feita pelo circle Studio Kimigabuchi e lançados no Comiket entre 2003 e 2007. Já avisando antes de tudo, este é um título para maiores de idade; não apenas por ser hentai, mas pela maturidade e violência da história. Não leia se você não se achar maduro o bastante pra isso. 



De qualquer forma, este é um excelente doujinshi, e no final vou revelar o motivo que me levou a escrever este review. Ainda assim, sem problemas: não coloquei nenhuma imagem imprópria no review (e nem links de download, mas isso já é com vocês, se quiserem). Como eu sei que muitos aqui vão atrás dos doujinshi de qualquer jeito, não vou dar spoilers do que acontece, e vou deliberadamente omitir certos fatos.  Vamos ao que interessa:




O primeiro volume começa com Chisame checando a popularidade de seu alter ego (Chiu) na internet. E ela fica possessa ao perceber que Asuna está ganhando de lavada, mesmo que a forçuda dos sininhos não use internet pra *orra nenhuma (não, nem Orkut ou Twitter, quem dirá Facebook...). 


Obviamente a net idol toma providências para voltar ao topo da lista, fazendo como fanboys de fóruns brasileiros de KOF e Street Fighter: difamando a concorrência, clamando que Asuna é uma whore (ou p*ta, em bom português). 

 

Após uma tentativa (falha) de usar uma imagem editada no Photoshop, ela usa suas habilidades de cosplayer e se disfarça como a própria Asuna. Avisando na net que topava posar pra fotos, obviamente alguns caras suspeitos com câmeras aparecem.



Ela planejava apenas posar como uma v*dia (panty shots e coisas assim) pra queimar o filme da Asuna...mas digamos que as coisas saíram “um pouquinho” fora do controle dela...



Vocês entenderam bem, não se façam de bestas...e esse panty shot é o máximo de fanservice que vou mostrar aqui, se conformem!



Após isso tudo, ao menos Chisame conseguiu o que queria: como os nerds tarados do Japão odeiam meninas “rodadas” (por mais lindas que sejam, afinal são nerds), ninguém mais quer saber da Asuna. Feito isso é só checar o quanto a popularidade da Chiu aumentou...



Ou não...


  
 
No segundo volume, a situação se repete; não só Konoka, mas também Makie e Nodoka passam Chiu nos rankings...e Chisame repete o mesmo método de se disfarçar como as três e...bem...repetir a "tática” de difamação usada com Asuna.

 É a partir deste ponto que o doujinshi começa a ficar interessante (não me refiro a p*taria, mas ao enredo): Chisame se submete a fazer “aquilo” para difamá-las e aumentar a própria popularidade (esse método por si já é insano, convenhamos) e em sua mente ela fica com ódio delas por algo que nem ao menos elas tem conhecimento ou mesmo culpa direta.





E ela depois repete a dose travestida como Asuna pra tentar descontar esse ódio reprimido...



Em seu quarto, defronte ao PC, ela vê que seus planos andaram funcionando...mas ela resolve postar que ela vai posar para fotos...como Chisame. Só pra ver no que ia dar...


E eis que alguém que ela não imaginava aparece...





Como bom professor, Negi chama a atenção de sua aluna...




 ...e Chisame se dá conta de que há gente que se importa com ela e seu bem-estar...




No terceiro volume, ela AINDA continua usando aquele método, mas começa a imaginar o que aconteceria se Negi descobrisse. Já durante a aula, Asuna comenta que acha que tem alguém a seguindo. Chisame resolve tomar providências a respeito.


Ela acha os caras, e tenta bota-los pra correr, mas os safados não querem vazar dali. Então ela resolve dar a eles o que querem. E dê-lhe cosplay da Asuna e “aquilo” de novo...



...só que Chisame começa a não agüentar mais a situação: ela se sente “imunda” (não é de se ficar surpreso), já que submeteu a algo que Negi (e qualquer um com um pingo de bom senso) jamais aprovaria..


 Sua mente começava a se esfacelar aos poucos...


E chega uma hora...


...que ela se estilhaça de vez...


E as consequências no final do volume são, no mínimo, perturbadoras. Nem posso postar páginas aqui por ser um spoiler pesado...


...com ênfase em pesado.

No quarto volume, o foco muda para Asuna; Chisame desapareceu há uma semana, e a pedido de Negi ela não comentou o assunto com ninguém. Mas ela de alguma forma soube das “coisas” que Chisame andou fazendo com a aparência dela...


Óbvio que ela ficou bastante perturbada com isso...


 Já o pobre Negi se sente responsável por não ter percebido a tempo pelo que Chisame estava passando...

Vou me abster de comentar mais deste volume, que é o mais longo dos cinco (com mais de 80 páginas). Fazer mais que isso é estragar o clímax deste volume, de longe o mais violento, perturbador e surpreendente dos cinco. Chega a "dar um ruim" quando você termina de ler, se você for mais sensível (eu avisei no começo, não foi?)


 ...!?

 
Mas alguma coisa pode ser dita sobre o quinto e último volume, que acontece um mês após o quarto, já na época do Festival de Mahora. É difícil comentar sem estragar o final, mas posso dizer, além de ter momentos perturbadores como o volume 4...


E algo que pode fazer toda a diferença no final da história...

 
Só vou dizer que gostei bastante do final. Só que isso não garante que seja um “final feliz”... claro...^^



Este doujinshi de fato é muito bom. Lá pelo meio do segundo volume dá pra perceber que não é só um pretexto pra hentai “sem razão de ser”; peguei este por sugestão de alguns amigos gringos (pois eu tinha comentado que retomei o mangá de Negima) e não me arrependi. É muito raro encontrar um doujinshi deste tipo que tenha uma história tão bem feita. Bem perturbadora, mas ainda assim uma ótima história.


 
E agora explicando: qual a razão de eu ter feito um review sobre esse doujinshi? Bem, eu acho que é um bom exemplo do quanto alguma história original produzida por fãs (como doujinshi e fanfics) pode abordar temas mais maduros sem forçar a barra. E acho que seria uma boa que fic writers dessem uma olhada neste doujinshi antes de abordar um tema mais pesado pra se ter uma idéia de como é que a abordagem deste tema deveria mais ou menos ser. A seguir, algumas coisas que (ao menos eu considero) dignas de nota que justificam o que fiz:



Neste doujinshi, Chisame foi exposta a esse tipo de violência horrível, mas foi tudo dentro de um contexto plausível se você considerar a personagem em si. A princípio pensei que seria de fato uma forçada de barra ela se submeter a isso só por causa da sua carreira de net idol, mas bastou lembrar-me de que existem mesmo colegiais que fazem programa só pra comprar itens da moda em Harajuku, que já não achei tão fora da realidade...



E sabemos que muitas vezes a nova cultura que os humanos estão desenvolvendo devido a presença da internet leva a certas situações que só se conhecia na ficção de autores mais ousados (Nelson Rodrigues teria um prato cheio se tivesse nascido nos tempos atuais...). Isso é mais um ponto que vale destacar: a magia, tão presente no mangá original não teve praticamente nenhuma influência no desenrolar da trama, deixando as coisas um pouco mais próximas do mundo real, o que é mais perturbador ainda se você parar pra pensar que uma net idol poderia mesmo fazer esse tipo de coisa...



O desenvolvimento dos personagens também não foi nada incomum: Chisame, Negi e Asuna agiram bem da forma que fariam se a história tivesse sido escrita pelo próprio Ken Akamatsu. Em suma, eles não foram OOC (Out Of Character, Fora do Personagem) sem razão justificada. Há muitos que não gostam de fandom por ver coisas que normalmente o personagem original não faria, ou seja, agindo OOC. 



Notem que a Chisame agindo dessa maneira é de certa forma verossímil (repetindo: dentro do contexto do doujinshi), já se fosse a Nodoka ou a Setsuna ficaria muito estranho, a menos que houvesse uma explicação, muito, mas muito boa.  É necessário haver uma justificativa plausível e aceitável para um personagem bem conhecido agir de maneira diferente ou extrema em relação ao que se conhece do mesmo. Caso contrário fica desconfortável demais.



É um dos pontos que eu pessoalmente mais levo em conta em fandom, e acho que mais pessoas também o façam. Que fique bem claro que você pode criar qualquer tipo de história com o personagem agindo OOC, se você der uma explicação convincente: se, por exemplo, você quiser escrever que a Nodoka virou uma yandere homicida, diga a razão. Ela encheu a cara? Usou drogas? Está sob magia? Alguma decepção profunda? A perda de alguém próximo? Basta explicar direito o que a levou a isso.



Como fã de Negima, eu fiquei bem satisfeito pelo conceito original das personagens ter sido respeitado. E como leitor crítico (mas não um mala pseudo-intelectual) de doujinshi e fanworks em geral, também achei bem satisfatório. Quisera eu que mais fanworks tivessem o mesmo cuidado em abordar um tema tão pesado como o Studio Kimigabuchi teve em Negimaru. Que fique de lição para todo mundo que produz fandom, da responsabilidade em se abordar temas mais maduros. Quando abordados com cuidado, eles podem ajudar muito a contar uma história. E deixá-la interessante, em vez das bombas que os autores de novela escrevem.


E pra fechar e mostrar algo interessante: Ken Akamatsu deve ter gostado muito de Negimaru também. Afinal, ele também começou fazendo doujinshi, e não é de se estranhar. Mas, além da presença (e a popularidade por conseqüência) da Chisame ter aumentado muito no arco atual do mangá (no Mundo Mágico), há uma referência clara num diálogo entre ela e Negi ao que acontece no quarto volume do doujinshi (e que me neguei a contar aqui). Dica: capítulo 264...



Não leia antes de ler o doujinshi, é sério... 


Ah, sim: desnecessário dizer, depois desse doujinshi, passei a gostar mais da Chisame do que antes. Não estranhem se isso acontecer com vocês também...^^ 

2 comentários:

killdream disse...

Concordo com você sobre as pessoas forçarem a barra em temas mais pesados. Embora algumas pessoas forçem a barra seja o tema central da ``história'' pesado ou não. E algumas até têm uma premissa legal e panz, mas a pessoa simplesmente não sabe desenvolver a história. Isso quando não termina em algo totalmente sem nexo como algumas coisas que a Meyer escreveu.

OOC também é um problema sério em fandons. Embora eu não considere OOC quando a pessoa tem uma razão plausível para que o personagem haja daquele jeito, afinal, as pessoas mudam dependendo das situações que elas estão enfrentando, rite?

Well, eu realmente não gosto de Hentai, eroges e coisas cheias de cenas de sexo em geral, mas agora estou com vontade de ler o Doujin. Só que não li ou assisti Negima ainda, não sei se vai ser um problema ou não (espero que não).

Raphael Soma disse...

Vem cá, tu considera a Meyer uma "autora"?
Bem, se tem gente que acha que funkeiros são músicos...^^

E basta ler pelo menos uns 2 ou 3 volumes inteiros do mangá original, isso basta pra conhecer o universo do mangá pra poder apreciar o doujinshi.