segunda-feira, fevereiro 04, 2008

Produtoras de H-Games Sacaneiam no Japão...de Novo!

Já começou a virar moda. Dia 24 de janeiro foi lançado o aguardado Garden (da CUFFS), na mesma semana que Fortune Arterial (da August, eu já falei dele aqui, lembram?), Sakura Shutrasse (da Pallette), e D.C.II ~Da Capo II~ Appreciation pack. (da Circus). Garden em si foi muito aguardado por ser um trabalho de Tonoike Daisuke (autor do Scenario) e Gayarou (chara design), simplesmente a dupla responsável por Suigetsu. Você pode não conhecer pelo nome, mas certamente já ouviu falar na “Waha!”; esse meme que ficou popular graças ao 2ch (e 4chan também) é em cima da personagem Yamato Suzuran que veio justamente de Suigetsu, graças à popularidade do game por lá.

Só que quem levou pra casa uma cópia de Garden teve uma péssima surpresa: os scenarios de duas personagens foram removidos do game sem nenhum aviso por parte da empresa! Só depois eles botaram um comunicado no site do game em que eles disseram que não conseguiram terminar o trabalho devido a problemas com prazos (isso que o game teve o lançamento adiado por 3 meses...). Eles também disseram que tem a intenção de completar os scenarios que faltaram na versão final do game. Mas também não disseram nada se as rotas das duas personagens vão ser distribuídas de graça ou se eles vão tentar arrancar mais uns trocados com um fan disc ou coisa assim...

Depois dessa, muita gente pediu seu dinheiro de volta (e com razão!) , já que o game que compraram estava incompleto e não havia nenhuma indicação de que as rotas tivessem sido cortadas do game nem na caixa, até que se jogasse e tivesse a ingrata surpresa...

Mas tem mais ainda! Todas as fontes oficiais disseram que o scenario de Garden era um trabalho unicamente de Tonoike Daisuke, mas para a surpresa dos fãs do autor, a produtora na verdade usou escritores freelancers para fazer partes do scenario, e segundo quem encarou o game inteiro essa colcha de retalhos deixou a história uma zona sem tamanho. Dizem as más línguas que das duas uma: ou Tonoike não conseguiu escrever a história ou desistiu antes do final, e por isso tiveram que achar gente de última hora para terminar de escrever e lançar o game logo...

O pior que esse tipo de coisa já aconteceu no fim do ano passado com Dies Irae, da Light: o jogo tinha sido anunciado em agosto de 2006 e foi lançado só no dia 21 de dezembro de 2007; artes que foram usadas em revistas e material promocional foram alteradas ou removidas da versão final; e como em Garden, rotas de heroínas foram removidas e o crédito do scenario foi dado a um autor famoso (Toukei Kaiseki), mas na verdade durante os créditos apareceram os nomes de seis autores a mais...

É curioso como esse tipo de sacanagem com os consumidores não é exclusividade do nosso país, não é? Não é só por ser primeiro mundo que quer dizer esse tipo de coisa não acontece por lá...

Nenhum comentário: